Circo coliseu dos recreios

circo coliseu dos recreios

Onde fica o Coliseu dos Recreios?

Considerada uma das salas de espectáculo mais importantes de Lisboa, o Coliseu dos Recreios é um monumento histórico da capital Portuguesa, situado no coração da cosmopolita Baixa Pombalina, na bonita Rua das Portas de Santo Antão.

Qual a importância do Coliseu?

Inaugurado em 1890, mas ainda sem toda a construção terminada, o Coliseu tentava então colmatar a necessidade de um espaço nobre de espectáculos nacionais e internacionais oferecendo preços acessíveis a todos os bolsos, seguindo projecto dos Engenheiros Goulard e de Manuel Garcia júnior, com decoração do pintor António Machado.

Qual a importância do Coliseu no século XX?

Já em finais do século XX o Coliseu sofre inúmeros e necessários trabalhos de restauro e manutenção, que o dotam de novas infra-estruturas, tornando-o numa sala multifuncional, vocacionada para as mais variadas actividades, como congressos, seminários, feiras, exposições, circo, e, claro, os mais variados tipos de espectáculo. Já esteve aqui?

Quem fundou a Sociedade dos Recreios?

Após a demolição do Circo Price no âmbito da construção da Avenida da Liberdade, Lisboa ficou desprovida de uma sala digna de grandes espetáculos. Imbuídos de espírito nacionalista, um grupo de artistas fundou a Sociedade dos Recreios Lisbonenses em 1887.

Qual a Rua do Coliseu dos Recreios?

Coliseu dos Recreios Rua das Portas de Santo Antão, 96 1150-269 Lisboa Combóio (CP): Estação do Rossio (Linha de Sintra) Autocarro (Carris): Restauradores (Carreiras 1, 2, 9, 11, 31, 32, 36, 39, 44, 45, 46, 59, 90, 92) Metro (Metropolitano de Lisboa): Estações Restauradores ou Rossio (Linha Gaivota/Azul ou Caravela/Verde)

Qual a importância do Coliseu?

Inaugurado em 1890, mas ainda sem toda a construção terminada, o Coliseu tentava então colmatar a necessidade de um espaço nobre de espectáculos nacionais e internacionais oferecendo preços acessíveis a todos os bolsos, seguindo projecto dos Engenheiros Goulard e de Manuel Garcia júnior, com decoração do pintor António Machado.

Por que o Coliseu não é enterrado?

O Coliseu, não estava inserido numa zona de encosta, enterrado, tal como normalmente sucede com a maioria dos teatros e anfiteatros romanos. Em vez disso, possuía um anel artificial de rocha à sua volta, para garantir sustentação e, ao mesmo tempo, esta substrutura serve como ornamento ao edifício e como condicionador da entrada dos espectadores.

Qual a importância do Coliseu no século XX?

Já em finais do século XX o Coliseu sofre inúmeros e necessários trabalhos de restauro e manutenção, que o dotam de novas infra-estruturas, tornando-o numa sala multifuncional, vocacionada para as mais variadas actividades, como congressos, seminários, feiras, exposições, circo, e, claro, os mais variados tipos de espectáculo. Já esteve aqui?

Por que o Coliseu foi construído?

O Coliseu foi construído em um local que havia sido devastado pelo Grande Incêndio de Roma durante o governo de Nero. As obras, então, serviram para animar a população e também para integrar a tão famosa política do pão e circo. A construção passaria a abrigar os mais interessantes espetáculos da época, como luta de gladiadores e execuções.

Quais são as principais características do Coliseu?

Formado por cinco anéis concêntricos de arcos abóbadas, o Coliseu representa bem o avanço introduzido pelos romanos à engenharia de estruturas. Esses arcos são de concreto (de cimento natural) revestidos por alvenaria. Na verdade, a alvenaria era construída simultaneamente e já servia de forma para a concretagem.

Quais foram os principais eventos realizados no Coliseu?

Ou seja, um local para os espetáculos públicos e a luta dos gladiadores romanos. Quando ele foi inaugurado pelo Imperador Tito, foram realizados 100 dias de jogos nas arenas. As atrações incluíam execuções, batalhas navais, combates de gladiadores, lutas e caça de animais, dentre outros.

Qual a importância do Coliseu de Roma?

O Coliseu de Roma foi utilizado para entretenimento durante 5 séculos. No século V, Roma foi atingida por um terremoto que afetou a estrutura do local. Entretanto, ele foi restaurado posteriormente. Séculos depois, ele foi usado como base militar. Durante a Renascença (a partir do século XV) o local foi diversas vezes saqueado.

Postagens relacionadas: