Tributação autonoma 2022

tributação autonoma 2022

Qual a importância da tributação autónoma?

Consiste numa tributação adicional a determinados gastos das empresas que não são diretamente relacionados com a produção da empresa, tais como despesas de representação, encargos com viaturas ou as despesas não documentadas. Estas despesas são taxadas independentemente de haver lucro ou prejuízo.

Quais são as taxas de tributação autónoma?

Na base, estas taxas de tributação autónoma são elevadas em 10 pontos percentuais quanto aos sujeitos passivos que apresentem prejuízo fiscal no período a que respeitem quaisquer dos factos tributários referidos relacionados com o exercício de uma atividade de natureza comercial, industrial ou agrícola não isenta de IRC.

Qual a diferença entre tributação autónoma e englobamento?

Se optar pelo englobamento, em vez da tributação autónoma, fica obrigado a juntar todos os rendimentos da mesma categoria. Por exemplo, se tem rendimentos de capitais, como juros de depósitos a prazo e dividendos, terá de englobar todos. Não é possível optar por tributar autonomamente os juros e englobar os dividendos aos rendimentos dependentes.

Quais rendimentos estão sujeitos à tributação autónoma?

Por exemplo, estão sujeitos à tributação autónoma os seguintes rendimentos: Saldo positivo entre as mais e menos-valias resultantes de algumas operações, como a alienação onerosa de partes sociais e de outros valores mobiliários ou da propriedade intelectual.

Como funciona a tributação autónoma?

Este imposto é apurado de forma independente do IRC e tem sofrido agravamentos progressivos ao longo dos anos. A tributação autónoma consiste numa tributação extraordinária a determinados gastos que uma empresa tem e que não estão diretamente relacionados com os gastos de produção.

Qual a diferença entre tributação autónoma e englobamento?

Se optar pelo englobamento, em vez da tributação autónoma, fica obrigado a juntar todos os rendimentos da mesma categoria. Por exemplo, se tem rendimentos de capitais, como juros de depósitos a prazo e dividendos, terá de englobar todos. Não é possível optar por tributar autonomamente os juros e englobar os dividendos aos rendimentos dependentes.

Quais rendimentos estão sujeitos à tributação autónoma?

Por exemplo, estão sujeitos à tributação autónoma os seguintes rendimentos: Saldo positivo entre as mais e menos-valias resultantes de algumas operações, como a alienação onerosa de partes sociais e de outros valores mobiliários ou da propriedade intelectual.

Quais são as formas de tributação mais vantajosas para contribuintes com rendimentos de capitais ou prediais?

Este artigo é para si. Os contribuintes com rendimentos de capitais ou prediais podem escolher a forma como desejam que estes sejam tributados: por englobamento ou tributação autónoma. Se recebe estes rendimentos, descubra qual é a opção mais vantajosa. O que é a tributação autónoma?

Em regra, a tributação autónoma das rendas é feita à taxa de 28%. Quais as reduções previstas? À taxa de 28% da tributação autónoma das rendas aplicam-se as seguintes reduções consoante a duração do contrato de arrendamento (ver tabela abaixo): Igual ou superior a dois anos e inferior a cinco anos

O que é o regime de tributação?

Qual a diferença entre tributação autónoma e Tributação autonoma?

Já na tributação autónoma os rendimentos são taxados separadamente, o que pode fazer com que a carga fiscal seja mais elevada. A AT assume, por defeito, a tributação autónoma. Isto significa que, se quiser escolher englobar estes rendimentos, terá de o fazer ao preencher a declaração.

Como fazer o englobamento de rendimentos na tributação autónoma?

Se não quiser que estes rendimentos sejam incluídos na tributação autónoma, terá de fazer o englobamento ao preencher a declaração de IRS, selecionando esta opção. Serão automaticamente somados todos os rendimentos prediais e de capitais aos de trabalho ou pensões.

Quais são as vantagens da tributação autónoma?

Por norma, a tributação autónoma é a opção mais vantajosa para os contribuintes, mas em algumas situações pode compensar englobar os rendimentos. É o caso dos contribuintes que obtenham rendimentos reduzidos e que fiquem no 1º e 2º escalões de IRS, nos quais será aplicada uma taxa mais baixa do que aquela aplicada nos casos da tributação autónoma.

Qual a taxa de englobamento?

Se o rendimento coletável foi inferior a 7 112 euros a taxa é de 14,5%; se o rendimento não chegou aos 10 732 euros é de 23%, portanto inferior aos 28% por da taxa liberatória. Outra situação em que pode ser vantajoso optar pelo englobamento é quando existe um saldo negativo entre as mais-valias e as menos-valias.

Este artigo é para si. Os contribuintes com rendimentos de capitais ou prediais podem escolher a forma como desejam que estes sejam tributados: por englobamento ou tributação autónoma. Se recebe estes rendimentos, descubra qual é a opção mais vantajosa. O que é a tributação autónoma?

Qual a diferença entre tributação autónoma e englobamento?

Postagens relacionadas: